Categorias
Espiritualidade

As duas tristezas / The two sorrows

Há, sim, a tristeza construtiva – aquela que nos impulsiona para a Vida Superior, encaminhando-nos para o trabalho da melhoria íntima, perante a sede de ascensão espiritual.
Existe, porém, a outra – a tristeza destrutiva – que se traja de luto, por dentro do coração, todos os dias, espalhando desânimo e pessimismo onde passa.
Observa a ti mesmo, a fim de que te imunizes contra semelhante doença da alma.
Toda vez que comentamos nossos problemas, exagerando-lhes o tamanho ou dramatizando as dificuldades que nos chegam à existência;
sempre que tomamos o tempo alheio, a fim de recordar sofrimentos passados que a Providência Divina já mandou apagar, em nosso benefício, com a esponja do tempo;
em todas as situações nas quais nos pomos a exaltar os preconceitos próprios, desconsiderando a posição e a experiência dos semelhantes;
e, na generalidade dos casos em que nos pusermos a lamentar dissidências e desacordos, contendas e mágoas, estamos afastando de nós mesmos os melhores amigos, através da amargura e do ressentimento que destilamos com as nossas palavras.

Naturalmente, cautelosos, esses companheiros preferem distância à partilha indébita de nossas aversões e frustrações, antagonismos e queixas, embora, sempre que generosos e leais, estejam claramente dispostos a apoiar-nos na restauração da própria harmonia.

Compreendamos que ninguém estima a permanência num espinheiro e nem escolhe vinagre para brindar os laços diletos, e saibamos fornecer bondade e paz, entusiasmo e otimismo aos que se aproximem de nós, porquanto não há quem não necessite de alguém para executar os deveres que a vida lhe preceitue.
Para isso, nós que sabemos rogar a Deus proteção e bênção, aprendamos igualmente a pedir à Divina Providência nos conceda a precisa coragem para silenciar desapontamentos e lágrimas, de maneira a doar paz e alegria, segurança e consolo aos outros, tanto quanto esperamos esses benefícios dos outros em auxílio a nós.

Espírito Emmanuel, do livro Coragem, psicografado por Chico Xavier.

Yes, there is constructive sadness – the one that drives us towards the Higher Life, directing us to the work of intimate improvement, in the face of the thirst for spiritual ascension.
There is, however, the other one – destructive sadness – that wears mourning, inside the heart, every day, spreading discouragement and pessimism wherever it goes.
Watch yourself, so that you may be immunized against such a disease of the soul.
Every time we talk about our problems, exaggerating their size or dramatizing the difficulties that come into our lives;
whenever we take other people’s time, in order to remember past sufferings that Divine Providence has already ordered to be erased, for our benefit, with the sponge of time;
in all situations in which we set ourselves up to exalt our own prejudices, disregarding the position and experience of our peers;
and in the generality of cases in which we begin to regret dissension and disagreements, contentions and grievances, we are driving away our best friends from ourselves, through the bitterness and resentment that we distil with our words.

Of course, these cautious companions prefer distance to undue sharing of our dislikes and frustrations, antagonisms and grievances, although, whenever generous and loyal, they are clearly willing to support us in restoring our own harmony.

Let us understand that no one appreciates staying in a thornbush nor chooses vinegar to toast the dear bonds, and let us know how to provide kindness and peace, enthusiasm and optimism to those who approach us, because there is no one who does not need someone to perform the duties that life prescribe you.
For this, we who know how to ask God for protection and blessing, let us also learn to ask Divine Providence to grant us the necessary courage to silence disappointments and tears, in order to bestow peace and joy, security and comfort to others, as long as we hope for these benefits. of others to help us.

Emmanuel Spirit, from the book Courage, psychographed by Chico Xavier.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.