Site Espírita

Oração do dinheiro

Oração do dinheiro

CHICO XAVIER DISTRIBUINDO DONATIVOS

Senhor!
No concerto das forças que te desejam honrar, eu também sou teu servo.
Por me atribuíres o dever de premiar o suor e sustentar o bem, como recurso neutro de aquisição, ando, entre as criaturas, frequentemente, em regime de cativeiro.
Muitas delas me escravizam para que eu lhes compre ilusões e mentiras, prazeres e consciências.
Noto com mais nitidez minha própria tarefa, cada vez que escuto alguém chorar no caminho, entretanto, quase sempre, estou preso…
Que fiz eu Senhor, para viver encarcerado no sombrio recinto do cofre, como seu eu fora um cadáver importante no esquife trancado da inércia?
Ensina aos que me guardam sem proveito que sou o sangue do trabalho e do progresso, da caridade e da cultura e ajuda-os para que me liberte.
Quase todos eles procuram estar comigo, através da oração, nos templos que abraçam.
Dize-lhes na prece que sou a esperança do lar sem lume.
Fala-lhes que posso ser o conforto das mães esquecidas, o arrimo dos companheiros caídos em provação, o leite devido aos pequeninos de estômago atormentado, o remédio ao enfermo e o lençol generoso e limpo dos que se avizinham do túmulo.
Um dia, alguém te apresentou moeda humilde, empenhada ao imposto público para que algo dissesses e recomendastes fosse dado a César o que é de César.
Muitos, porém, não perceberam que te reportavas ao tributo e não a mim e, julgando que a tua palavra me condenasse, lançaram-me ao desprezo…
Não ignoras, contudo, que nasci para fazer o melhor e esteja eu vestido de ouro ou de simples papel, sabes, Senhor, que eu também sou de Deus.

Meimei

Oração diante da palavra

Oração diante da palavraSenhor!
Deste-me a palavra por semente de luz.
Auxilia-me a cultivá-la.
Não me permitas envolvê-la na sombra que projeto.
Ensina-me a falar para que se faça o melhor.
Ajuda-me a lembrar o que deve ser dito e a lavar da memória tudo aquilo que a tua bondade espera se lance no esquecimento.
Onde a irritação me procure, induze-me ao silêncio, e, onde lavre o incêndio da incompreensão ou do ódio, dá que eu pronuncie a frase calmante que possa apagar o fogo da ira.
Em qualquer conversação, inspira-me o conceito certo que se ajuste à edificação do bem, no momento exato, e faze-me vigilante para que o mal não me use, em louvor da perturbação.
Não me deixes emudecer diante da verdade, mas conserva-me em tua prudência, a fim de que eu saiba dosar a verdade em amor, para que a compaixão e a esperança não esmoreçam, junto de mim.
Traze-me o coração ao raciocínio sincero sem aspereza, brando sem preguiça, fraterno sem exigência e deixa, Senhor, que a minha palavra te obedeça à vontade, hoje e sempre.

Emmanuel

Oração diante da cruz

Jésus Gonçalves
Contemplando-te, ó Mestre, içado às dores,
Em teu trono de angústia, sangue e chagas,
Sinto em mim a grandeza com que esmagas,
O ódio e a maldade dos perseguidores…

Ladeado por rudes malfeitores,
Ao vozerio de baldões e pragas,
Guardas no olhar a benção com que afagas,
O coração dos pobres sofredores.

Perdoai-lhes, meu Pai, disseste em pranto,
No imenso amor, iluminado e santo,
Que a tua cruz de lágrimas encerra…

E vejo, enfim, que sem teus dons divinos,
Não passamos de escuros peregrinos,
Infortunados lázaros da Terra!

Jesus Gonçalves

Oração de mãe

Oração de mãe

Deus de Infinita Bondade!
Pusestes astros no céu e colocastes flores na haste agressiva…
A mim destes os filhos e, com os filhos, me destes o amor diferente, que me rasga as entranhas, como se eu fosse roseira espinhosa, que mandásseis carregar uma estrela…
Aceitastes minha fragilidade a Vosso serviço, determinando que eu sustente com a maternidade o mandato da vida; entretanto, não me deixeis transportar, sozinha, um tesouro assim tão grande! Dai-me forças, para que Vos compreenda os desígnios; guiai-me o entendimento, para que a minha dedicação não se faça egoísmo; guardai-me em Vossos braços eternos, para que o meu sentimento não se transforme em cegueira.
Ensinai-me a abraçar os filhos de outras mães, com o carinho que me insuflais no trato daqueles de que enriquecestes minha alma!
Fazei-me reconhecer que os rebentos de minha ternura são depósitos de Vossa bondade, consciências livres, que devo encaminhar para a Vossa vontade e não para os meus caprichos. Inspirai-me humildade, para que não se tresmalhem no orgulho por minha causa.
Concedei-me a honra do trabalho constante, a fim de que não venha a precipitá-los na indolência. Auxiliai-me a querê-los sem paixão e a servi-los sem apego.
Esclarecei-me para que ame a todos eles com devotamento igual, no entanto, Senhor, permiti-me inclinar o coração em Vosso nome, por sentinela de Vossa benção, junto daqueles que se mostrarem menos felizes!…
Que eu seja contente e grata, se me puderem oferecer mínima parcela de ventura, e que me sinta igualmente reconhecida se, para afagá-los, for impelida a seguir, nos caminhos do tempo, sobre longos calvários de aflição!…
E, no dia em que me caiba entregá-los aos compromissos que lhes reservastes, ou a restituí-los às Vossas mãos, dá que, ainda mesmo por entre lágrimas, possa eu dizer-vos, em oração, com a obediência da excelsa mãe de Jesus:
“Senhor, eis a tua serva! Cumpra-se em mim, segundo a Vossa palavra”!…

Meimei

Oração das meninas

Papai do Céu que nos dais,
Carinho, bondade e amor,
Sede louvado, Senhor,
Na benção de nossos pais.
Agradecemos em prece,
Cantando de gratidão,
O lar, a saúde, o pão, roupa que nos aquece,
O professor que nos guia,
A escola, o caminho, a fonte,
O sol na paz do horizonte.
Nossa luz de cada dia,
O orvalho, o perfume, o vento,
As árvores generosas,
A chuva, a canção, as rosas,
E os astros do firmamento.
E vimos agradecer,
Também a agulha, a peteca,
E a nossa doce boneca,
Que nos ensina a viver.
Pai Nosso que estais vivente,
Na Terra, no Céu, na flor,
Guardai-nos em vosso amor,
Hoje, agora e eternamente.

Maria Celeste

Maria Celeste

MARIA CELESTE, POETISA SANTISTA

Oração das Mães

Maria e o Menino Jesus

Maria de Nazaré e o Menino Jesus

Senhor!
Abriste-me o próprio seio e confiaste-me os filhos do Teu amor.
Não me deixes sozinha na estrada a percorrer.
Nas horas de alegria, dá-me temperança.
Nos dias de sofrimento, sê minha força.
Ajuda-me a governar o coração para que meu sentimento não mutile as asas dos anjos tenros que me deste e adoça-me o raciocínio para que a minha devoção afetiva não converta em severidade arrasadora.
Defende-me contra o egoísmo para que a minha ternura não transforme em prisão daqueles que asilaste em meus braços.
Ensina-me a corrigir amando, para que eu não possa trair o mandato de abnegação que depuseste em meu espírito.
Nos minutos difíceis, inclina-me à renúncia com que devo iluminar o trilho daqueles que me cercam.
Senhor auxilia-me a tudo dar sem nada receber.
Mostra-me os horizontes eternos de Tua Graça, para que os desejos da carne não me encarcerem nas sombras.
Pai, sou também Tua filha!
Guia-me nos caminhos escuros, a fim de que saiba conduzir ao infinito Bem os promissores rebentos de Tua Glória.
Senhor, não me desampares!
Quando a Tua Sabedoria exigir o depósito de bênçãos com que me adornaste a estrada por empréstimo sublime, dá-me o necessário desapego para que eu Te restitua as joias vivas do meu coração, com serenidade e alegria, e quando a vida me impuser em Teu nome, o desprendimento e a solidão, reaquece minh’alma ao calor do Teu Caminho Celeste para que eu venere a Tua vontade para sempre.
Assim seja.

Meimei

Oração da caridade

Oração da Caridade

Distribuição de alimentos, na Comunhão Espírita Crista, em Uberaba, em 1973

Amigo!
Em meu manto, constelado de amor, guardo todas as criaturas.
Tenho estado contigo, desde a hora primeira.
Embalei-te o berço frágil.
Acalentei-te nos beijos de tua mãe.
Segui-te os passos na escola, orientei-te as mãos no trabalho.
Venho ao teu encontro, por inspiração de Jesus, a quem obedeço, em nome do Pai Excelso.
Com Ele estive, em todos os instantes de apostolado.
Fui eu quem lavou as chagas dos leprosos tocados pelas Divinas Mãos, em sublime retorno à Luz.
Reuni os pobres e os fracos, os desesperados e os oprimidos, para que Lhe ouvissem, na Terra, o Sermão da Montanha.
Conversei com Zaqueu iludido pela vaidade da posse e abracei a Madalena, que os homens desprezavam…
Fui ainda em quem Lhe escutou a solicitação, nos tormentos da cruz, pedindo socorro e compreensão para Judas, o apóstolo desditoso!
Procuro-te agora, suplicando asilo e cooperação.
Alivia comigo as chagas dos que padecem e dar-te-ei o esquecimento das próprias dores.
Cede-me tua palavra, para que o fel se extinga no mundo e entrega-me teus braços, para que o bem se espalhe vitorioso…
Ouve-me e perceberás as revelações de Deus.
Acompanha-me e conhecerás a felicidade.
Não te detenhas.
Ainda hoje necessito de ti, para que gemidos emudeçam e lágrimas se estanquem.
Não importa o que tenhas sido. Importa que te rendas ao Cristo, para que a Terra te abençoe a passagem.
Vem e socorre-me!
Levanta-te e ajuda-me!
Amando e servindo, chegaremos juntos à Glória Celestial.

Emmanuel

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: