Diante do Madeiro

Ante a cruz infamante me prosterno E contemplo-te, oh! Cristo, os membros lassos, O duro lenho que te prende os braços Abre-te em sangue o coração fraterno. Fitas o olhar de luz, dorido e terno, Na cerúlea beleza dos Espaços, Enquanto os homens, lúbricos e crassos, Trazem ao monte cavernoso inferno. Rei prostrado ante horrenda… Continuar lendo Diante do Madeiro