Categorias
Espiritualidade

Nos limites do céu

No limite da Terra com o Céu, aportou um peregrino envolto em nevado manto.
Irradiava pureza e brandura. A fronte denunciava-lhe a nobreza pelos raios diamantinos que emitia em todas as direções. Extenso halo de luz assinalava-lhe a presença.
Recebido pela entidade angélica, que presidia à importante passagem, apresentou sua aspiração máxima: ingressar definitivamente no paraíso, gozar-lhe o descanso beatífico.
O divino funcionário, embora admirado e reverente perante espírito tão puro, esboçou o gesto de quem notava alguma falha menos visível ao olhar inexperiente e considerou:
—Meu irmão, rendo homenagem à alvura de tuas vestes, entretanto, vejamos se já adquiriste a virtude perfeita.
Sorridente, feliz, o viajor vitorioso pôs-se à escuta.
—Conseguiste entesourar o amor sublime. Perguntou o anjo, respeitoso.
—Graças a Deus! — informou o interpelado.
—Edificaste a humildade?
—Sim.
—Guardaste a esperança fiel?
—Todos os dias.
—Seguiste o bem?
—Invariavelmente.
—Cultivaste e pureza?
—Com zelo extremado.
—Exemplificaste o trabalho construtivo?
—Diariamente.
—Sustentaste e fé?
—Confiei no Divino Poder, acima de tudo.
—Ensinaste a verdade e testemunhaste-a?
—Com todas as minhas forças.
—Conservaste a paciência?
—Sem perdê-la jamais.
—Combateste os vícios em ti mesmo, tais como a vaidade e o orgulho, o egoísmo e o ciúme, a teimosia e a discórdia?
—Esmeradamente.
—Guerreaste os males que assolam a vida, como sejam o ódio e a perversidade, a insensatez e a ignorância, a brutalidade e a estupidez?
—Sempre.
O anjo interrompeu-se, refletiu longos minutos, como se estivesse em face de grave enigma, e indagou:
—Meu amigo, já trabalhaste no inferno?
—Ah! Isto não! — respondeu o peregrino, escandalizado. — Como haveria de ser?
O fiscal da celeste alfândega sorriu, a seu turno, e observou:
—Falta-te semelhante realização para subir mais alto.
—Oh! Que contrassenso! — aventurou o interessado — como servir entre gênios satânicos, de olhos conturbados pela permanente malícia, de ouvidos atormentado pela gritaria, de mãos atadas pelos impedimentos do mal soberano, de pés cambaleantes sobre o terreno inseguro, com todas as potências da alma perturbadas pelas tentações?
—Sim — meu amigo — acentuou o preposto divino — o bem é para salvar o mal, o amor foi criado para que amemos, a sabedoria se destina em primeiro lugar, ao ignorante. A maior missão da virtude é eliminar o vício e amparar o viciado.
E, perante o assombro do ouvinte, rematou:
—Torne à Terra, desce ao inferno que o homem criou e serve ao Senhor Supremo, voltando depois… Então, cogitaremos da travessia. Lembra-te de que o Sol, situado cerca de cento e cinquenta milhões de quilômetros além do teu mundo, larga raios luminosos e salvadores ao mais profundo abismo planetário…
Em seguida, o controlador da Porta Celestial cerrou a passagem ligeiramente entreaberta e o peregrino, de capa lirial, espantadiço e desapontado, sentou-se um pouco, a fim de meditar sobre as conquistas que havia feito.

Espírito Irmão X, do livro Luz Acima, psicografado por Chico Xavier.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.