Categorias
Espiritualidade

Despedida de Vital

Lua cheia… Na choça a que se apega,
Morre Vital, velhinho, olhando o morro…
Por prece, escuta a arenga do cachorro,
Ganindo nas touceiras da macega.
Pobre amigo!… Agoniza sem socorro,
Chora lembrando o milho na moega…
Oitenta anos de lágrimas carrega
Na carcaça jogada ao chão sem forro.
Suando, enxerga um moço na soleira,
–Eu sou leproso… – avisa em voz rasteira,
Mas diz o moço, envolto em luz dourada:
–Vital, eu sou Jesus! Venha comigo!…
E o velho sai das chagas de mendigo
Para um carro de estrelas da alvorada.
Espírito Cornélio Pires, do livro Antologia Mediúnica do Natal, psicografado por Chico Xavier.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.