Categorias
Espiritualidade

Ave, Kardec

O novo século começa heroico
Em meio à negação com que se encobre
A luta cã do pensamento estoico
Por amparar a humanidade pobre.
Mas o Divino Mestre lhe escuta
O anseio nobre, o clamor fecundo…
Reúne em assembleia impoluta
Semeadores para o Novo Mundo.
Disputa e dor dominam o firmamento:
Gemido em súplica inglória e vã!
Nada estanca o vívido escarmento
No louco império, grei de Leviatã!
Convoca à vida em solo lionês
O missionário da renovação.
E Allan Kardec pisa o chão gaulês
Para o propósito da Redenção.
Materialismo! Suas hostes gritam
Pela manutenção da ignorância.
Negativismo! Elas requisitam
Na sobre excitação da arrogância.
A Fé renasce esplêndida e robusta,
Encara frente a frente o raciocínio,
O véu levanta à verdade augusta
Em honra ao Bem Eterno e Virgínio.
O coração anônimo das massas
Aguarda exausto e inerme nova luz
As esperanças soam-lhe escassas
Em seu calvário de martírio e cruza.
Ave, Kardec, nas luzes do futuro!
Ave, fiel apóstolo do amor!
Viva o Espiritismo, almo e puro,
Que nos deixaste, em nome do Senhor!
Sayão
Poema psicografado por Geraldo Lemos Neto, em reunião pública em Belo Horizonte, no Centro Espírita Luz, Amor e Caridade, em 7 de Outubro de 1991.

Topo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.