Categorias
Espiritualidade

Trabalhar sempre

Ociosidade não é somente estagnação do progresso.
Necessário auscultar-lhe as desvantagens profundas.
Não será preciso, para isso, recorrer aos elementos de poesia e retórica. Basta consultar o cadastro da vida. Certamente que a vida exige o esforço da impressão, mas, acima de tudo, o esforço da ação.
Cada espírito é chamado a aprender, a fim de exprimir-se, e não há expressão sem trabalho.

Tudo o que está criado na esfera da natureza como que se detém esperando o servidor.

Nada reservado à preguiça, senão o espetáculo de miséria que a denuncia, como seja a tapera em que o preguiçoso converte a própria casa.

Descobertas e invenções que felicitam a Humanidade nasceram de espíritos que se decidiram a trabalhar, perquirindo as forças do Universo.

Gênio é diligência aplicada.

Durante milênios, milhões de homens cruzaram dificilmente os caminhos da Terra, aproveitando o suor de alimárias. Bastou a intervenção de alguns espíritos operosos, reencarnados no Planeta, para a solução dos problemas de condução e transporte, e o homem de hoje, em menos de um século, se desloca de um polo a outro, até mesmo com velocidade superior à do som, se o deseja.

Não ignoremos a importância da atividade criativa na existência.

Nas linhas inferiores da evolução, o trabalho aparece como efeito de domesticarão da vontade. O homem primitivo, acicatado pela fome, é compelido a sair da maloca e a agir para comer. Quando raiam os primeiros indícios de governança, os povos agressivos se escravizam uns aos outros, alternando-se na posição de senhores e vassalos, na dilatada fieira das reencarnações, a fim de acordarem para o valor do trabalho.

E à medida que a educação se expande, o trabalho conquista novos troféus de nobreza, até alcançar, com a Doutrina Espírita, o brilho que lhe é próprio, como sendo o maior privilégio do coração e da inteligência.

Não nos iludamos.

Os princípios espíritas nos descerram elevados planos de alegria e libertarão.

Dever de servir, felicidade de ser útil. Definição de caminhos e objetivos.

Deixemos para trás as insígnias mortas das reencarnações inúteis em que, tantas vezes, nos enfeitamos com a indolência dourada.

De quando em quando, visitemos um museu, por alguns minutos, e reconheceremos a transitoriedade das palmas exteriores, aprendendo que só existe um trabalho para a felicidade: a felicidade de trabalhar.

Emmanuel, do livro Entre Irmãos de Outras Terras. Página recebida por Chico Xavier, em(Nova Iorque, EUA., em 7 de Julho de 1965.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.