Categorias
Espiritualidade

Rendição

Tudo fizera para pagar o quinhentos mil cruzeiros…
Desesperava-se.
Tudo debalde…
O desejo de autoeliminação escaldava-lhe o crânio.
Sentia a necessidade de orar… Mas, como?
Abnegado amigo dispôs-se a conduzi-lo a determinado templo espírita, a fim de que pudesse recolher algum esclarecimento e consolo.

Apreensivo, recebeu a palavra de generoso Mentor, que lhe dizia, em página breve:
– “Irmão Avelino. Deus esteja conosco. Não desespere. Simples quarto de hora está revestido de imenso valor e, por vezes, modifica inteiramente o destino. Volte ao lar e ouça Jesus no Evangelho. Somente o Evangelho guarda bastante luz para a solução de nossos problemas”.
Terminada a reunião, afastou-se Avelino, sem dar-se por satisfeito.
Estava desapontado e desgostoso. Fugiria do mundo. Ninguém lhe evitaria semelhante propósito.
Ao retornar a casa, inquieto em suas cogitações, reparou que os faróis do ônibus incidiram sobre a frente de um transportador de carga, a movimentar-se em sentido contrário, e pode ler, nitidamente, no para-choque:
– “Deus viaja conosco.”
Sorriu, irônico. “Todo motorista é engraçado” – pensou.
Chegando em casa, entrega-lhe a esposa afetuosa carta de um companheiro.
Retira-lhe o conteúdo.
Começa a leitura e esbarra com a saudação:
– “Deus esteja conosco, hoje e sempre”.
Deixou a missiva, contrafeito, e falou de si para consigo:
– “Sempre filosofia religiosa!…
Ainda assim, enfadado de tudo, notou que a esposa andara lendo o Evangelho, porque um exemplar do Novo Testamento descansava na mesa, a pequena distância.
Mais curioso que interessado, abriu o livro, e seus olhos caíram sobre o versículo onze do capítulo treze, na segunda carta do Apóstolo Paulo aos Coríntios:
– “Quanto ao mais, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco.”
Abandonou o livro desalentado.
Esparramou-se em velha poltrona e ouviu conhecido locutor encerrando o programa naquelas primeiras horas da madrugada:
– “Deus esteja conosco.”
Desligou o aparelho, sem dizer palavra.
Beijou a esposa, então recolhida, com o enternecimento de quem se despede pela última vez.
Tornou à copa.
Estava decidido. Terminaria tudo.
O gargalo de uma garrafa verte a cerveja sobre alta dose de violento corrosivo.
Antes, porém, do gesto infeliz, pensa um pouco.
Fita, angustiado, a cena familiar que o rodeia…
No cimo de grande armário vê, rasgado, o verde papagaio de papel que lhe recorda o filhinho.
Guardando a taça entre as mãos, dirige-se ao quarto próximo e inclina-se, quase em pranto, para Ricardo, o garoto que dorme.
O leito pressionado estala, de leve, e o menino acorda, atarantado.
À frente da inesperada visita, atira-se nos braços paternos, fazendo ir ao chão o copo que se estilhaça no piso, ao mesmo tempo em que exclama expansivo:
– Papai! Papai! Hoje na aula escrevi sem errar o primeiro ditado da Professora:
– “Confiemos em Deus!”
Avelino, agora chorando e rindo, abraçou o petiz.
Deus vencera!
Deus, que o cercava por toda parte, ajudá-lo-ia a pagar o quinhentos mil cruzeiros.
– Obrigado meu filho! – clamou, feliz, levando o lenço aos olhos.
A seguir, descerrando larga janela, contemplou o céu rutilante de estrelas…
E tomando de júbilo inconsciente, gritou, espontâneo:
– Obrigado, meu Deus!
Delirando de alegria, apertou o filhinho com mais ternura e, aliviado, respirou, a longos haustos, como se estivesse encontrado a felicidade pela primeira vez…

Hilário Silva, do livro A Vida Escreve, psicografado por Chico Xavier

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.