Categorias
Espiritualidade

O ensinamento

Fala a criatura ao Criador, na oração. Fala o Criador à criatura, na pregação.
A linguagem do louvor, ou da súplica, sobe da Terra.
A palavra de consolo, ou de advertência, desce das Alturas.
Há muitos que investigam o pregador de existência claudicante e repelem a mensagem divina, esquecidos de que eles mesmos alimentam o corpo com os frutos da natureza, criados nas adjacências da lama.

Deus, que desabotoa flores perfumadas no pântano, pode colocar as glórias da revelação em lábios ainda impuros.
Ninguém saborearia as folhas tenras da alface à mesa festiva, com a mente voltada para os vermes da horta.
O cântaro lodoso pode recolher a água cristalina da chuva, para socorrer o viajor alquebrado pela canícula.
Não desprezemos, por bagatelas da carne ambulante e frágil, os dons da luz eterna.
As notícias do Reino Divino podem chegar até nós por intermédio das inteligências mergulhadas nas trevas, assim como os relâmpagos de clarão deslumbrante faíscam dentro da noite escura. Importa, em todos os lugares e em tudo, ver o melhor e escolher a boa parte.
A frase que acende em nós a flama da virtude ou que nos inclina à meditação, que nos torna o sentimento mais doce e o raciocínio mais elevado, é uma flor celeste, desabrochando no tronco do nosso pensamento inferior e primitivo, por miraculoso processo de enxertia divina.
“Aquele que julga estar de pé, olhe não caia” – disse o apóstolo Paulo; e o apóstolo Tiago assevera à cristandade: – “Toda boa dádiva vem do Alto”.
Que possuirá o homem de excelente, que lhe não tenha sido prodigalizado de Cima?
Ainda mesmo quando na boca de um criminoso confesso, a palavra do bem é fruto precioso do amor de Deus, amadurecido nos galhos tristes do arrependimento humano.
Em todos os tempos e em todos os círculos de atividade comum, a argumentação restauradora e santificante da fé representa a conversação do Pai com os filhos, entre a misericórdia e a necessidade.
Ninguém se suponha esquecido pelo Senhor, porque o senhor nos dirige a palavra, através de todo verbo construtivo que nos leve ao bem.
“O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje” – afirma a prece dominical.
Mal avisados viveríamos se nos julgássemos precisados tão só de viandas fortalecedoras do corpo em trânsito para as cinzas do túmulo. Referia-se Jesus, muito mais, ao pão espiritual do coração e da consciência, no santuário da alma que nunca morre; pão que é alimento da palavra enobrecedora, do esclarecimento digno, da cultura edificante e da elevação divina.
Onde luzir o verbo da bondade que auxilia e educa, aí se reflete, magnânima, a voz da Providência.
Cada vez que imploramos os favores do Altíssimo, não nos esqueçamos dos recados e dos avisos, das lições e das advertências que havemos recebido do Amoroso Senhor.

André de Cristo, do livro Falando à Terra, psicografado por Chico Xavier

2 respostas em “O ensinamento”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.