Em Favor do Mundo

Antes que o olhar se nos fixe nos mundos brilhantes, que evoluem mais alto no campo da Universidade Divina, lembra a Terra amorosa que te acolhe e bendiz.
Repara a gleba em que te encontras.
Espinheiros e flores se misturam.
Pedra e lama impedem a sementeira digna em vastas regiões que se fazem inóspitas.
Vermes e plantas venenosas perturbam grandes linhas da paisagem.
Esta é a casa de trabalho em que o Senhor te situou.
Faze alguma cousa por melhorá-la, embelezá-la ou engrandecê-la.
Auxilia ao trabalhador na conservação do bom ânimo.
Socorre o enfermo, a fim de que se restaure.
Ampara as sementes do bem.
Inspira a coragem aos que fraquejam.
Acende alguma luz para as sombras.
Amassa o pão do reconforto para quem te reclama o concurso fraterno.
Produze a gota de remédio que regenera o doente.
Defende a fonte cristalina.
Planta uma árvore valiosa no caminho em que transitas ou faze um vaso humilde florir à porta do lar e estarás enriquecendo o berço em que nasceste, elevando a existência, a favor daqueles que virão depois dos teus passos.
Quem não valoriza a candeia próxima, dificilmente entenderia o esplendor da estrela distante.
Quem despreza o alfabeto não atinge a ciência.
É preciso começar com o bem e persistir com ele se desejamos a perfeição.
Cada qual, porém, avança na senda que lhe é própria.
Ninguém caminhará para a gente sobre o alheio esforço.
Antes de pretendermos o ingresso nos mundos venturosos e redimidos, salvemos o chão em que nos firmamos, construindo o mundo mais feliz de amanhã pela melhoria de nós mesmos.
Não vale contemplar sem agir, nem sonhar sem fazer.

Emmanuel, psicografia de Chico Xavier

Petição

Senhor!
Admiro-te a presença em cada criatura que me cruza o caminho.
Escuto-te as manifestações, quando alguém usa o verbo na ponderação da madureza ou na simplicidade da criança.
Percebo-te na cultura dos que ensinam e na inteligência dos que aprendem.
Sinto-te o maravilhoso amor pulsando em cada coração.
Enterneço-me em te observando o devotamento de todos aqueles que se fazem pais e mães no mundo.
Entretanto, além de tudo isso, reconheço-te a voz quando me chamas naqueles que sofrem.
Fito-te nos enfermos e nos tristes que me estendem os braços, rogando-me auxílio em teu nome.
Conheço-te as lágrimas com que me falas de proteção no semblante das mães relegadas ao abandono.
Entendo-te no olhar ansioso dos irmãos em desajuste.
Compreendo-te nas requisições de carinho das crianças atiradas à via pública.
E sei quanto procuras por mim naqueles que se desequilibram nas sombras da ignorância ou nas labaredas da delinquência.
Agradeço-te a felicidade de identificar-te nos companheiros de experiência, no entanto, venho rogar-te a coragem de ser útil para que eu saiba responder-te ao chamado, junto dos que choram:
“Senhor, eu estou aqui”.

Meimei, psicografia de Chico Xavier