No Clima da Corrigenda

No clima da corrigenda

Deixemo-nos levar para o que é perfeito… – Paulo. (Hebreus, 6:1.)
Busquemos edificar-nos em espírito, reconhecendo que, em verdade, estamos infinitamente longe das criaturas perfeitas, mas, se já conhecemos algo do Cristo, estamos na trilha da corrigenda e qualquer corrigenda, mesmo ligeira, é passo da vida no rumo da perfeição.
Emmanuel

Para Frente

Para frente

Por mais sofras
Jamais desanimes.
O problema aparece
Carregando a lição.
Surge a crise
Revelando a verdade.
Provações no caminho
Somam experiência.
Deus sabe o que precisas
Para seres feliz.
Segue à frente e não temas
Escorando-te em Deus.

Na luta educativa

Mas pela graça de Deus sou o que sou… Paulo. (I Coríntios, 15:10)
Ninguém nos desconhece a inferioridade de espíritos ainda vinculados aos processos evolutivos da Terra, sempre que tenhamos a nossas condições imperfeitas confrontadas com as qualidades sublimes que imaginamos nas entidades angélicas.
Não nos é lícito, porém, negar os recursos de aperfeiçoamento que já nos felicitam.
Somos incipientes no trato dos conhecimentos superiores, mas já estamos instruídos quanto à necessidade de adquiri-los.
Achamo-nos empenhados a débitos enormes, diante de muitas existências transcorridas no erro; no entanto, já sabemos que, se formos leais ao cumprimento dos deveres que o resgate nos impõe, é possível atenuar muitas dificuldades e transpor vitoriosamente as barreiras que nos separam da vitória sobre nós mesmos.
Experimentamos tentações escabrosas, segundo as falhas que ainda nos marcam a posição; todavia, não ignoramos que triunfaremos sobre todos os alvitres da sombra, desde que estejamos atentos aos impositivos do serviço e da vigilância.
Percebemos as fragilidades que nos assinalam a existência para o levantamento de construções morais nos domínios da virtude; entretanto, dispomos das mais nobres instruções para guiar-nos no caminho da elevação.
Melhoremo-nos, melhorando a vida.
Aprendamos para ensinar.
Impossível ocultar as deficiências de que somos ainda portadores; conquanto isso, podemos parafrasear Paulo de Tarso, asseverando: dentre os espíritos devedores e imperfeitos, reconhecemos estar em meio dos mais necessitados de regeneração e ensinamento, mas pela graça de Deus já somos o que somos.
Emmanuel, psicografia de Chico Xavier

Nunca Inúteis

Nunca se diga inútil nos mecanismos da vida.
A usina é um centro gigantesco de força, mas é a lâmpada que dosa em casa a luz de que carecemos.
Determinada moradia será provavelmente um palácio, mas é a chave que lhe resguarda a segurança.
O depósito de algodão é garantia valiosa na indústria, mas o tecido na espécie é formado pelo fio que ele produz.
O livro pode ser um tesouro de conhecimentos superiores, mas não surgiria sem as letras do alfabeto.
A sinfonia é um espetáculo de grandeza, mas não existiria sem a base nas sete notas.
Meditemos na importância da vida, em qualquer setor, e trabalhemos.
Realmente, não somos indispensáveis, porque a Providência Divina não pode falir quando falhamos transitoriamente, mas, em verdade, segundo a Sabedoria do Universo, Deus não nos criaria, se não tivesse necessidade de nós.
André Luiz, psicografia de Chico Xavier

Agradece

Agradece as mãos que te constroem a existência, decorando-a com as tintas da alegria e da esperança, mas endereça os teus pensamentos de gratidão àquelas outras que te ferem com os espinhos da incompreensão, ensinando-te a conviver e a servir.
Agradece as vozes que te embalam os anseios, entretecendo hinos de paz e amor com que te inspiram as melhores realizações, no entanto, envia as tuas vibrações de reconhecimento àquelas outras que te exageram essa ou aquela falha, induzindo-te a compreender e a perdoar.
Agradece aos amigos que te proporcionam mesa farta, impulsionando-te a pensar na abastança da Terra, mas não recuses respeito àqueles que, em algum tempo, te sonegaram o pão, levando-te a prestigiar a fraternidade e a beneficência.
Agradece aos irmãos que te reconhecem a nobreza de sentimentos, louvando-te o trabalho, entretanto, não olvides o apreço que se deve àqueles outros que te menosprezam, auxiliando-te a descobrir os tesouros da humildade e da tolerância.
Certa feita, um pedaço de carbono sumido no monturo pediu a Deus o levasse para a superfície da Terra, a fim de ser mais útil. O Supremo Senhor ouviu-lhe a súplica e determinou fosse ele detido no subsolo para a devida maturação.
O minério humilde aceitou a resposta e permaneceu na clausura, por séculos e séculos, suportando a química da natureza com o assalto constante dos vermes que habitavam o chão.
Chegou, por fim, o tempo em que o Criador mandou arrancá-lo para atender-lhe aos ideais. Instrumentos de perfuração exumaram-no a golpes desapiedados e o lapidário cortou-lhe o corpo, de vários modos, em minucioso burilamento.
Mas quando o carbono sublimado surgiu, de todo, aos olhos do mundo, Deus o havia transformado no brilhante, que passou a brilhar, entre os homens, parecendo uma flor do arco-íris com o fulgor das estrelas.
Meimei, psicografia de Chico Xavier

Doutrinar e Transformar

Emmanuel e Chico Xavier
Em verdade é preciso doutrinar para esclarecer.
Mas é imprescindível, igualmente, transformar para redimir.
Doutrinação que melhore.
Transformação que recupere.
A teoria prepara.
A prática realiza. Ensinando, induzimos.
Fazendo, demonstramos.
Quem instrui, acende luz.
Quem edifica, é a própria luz em si.
Para doutrinar com segurança, é necessário atender à sabedoria através do cérebro.
Para transformar com êxito, é indispensável obedecer ao amor, por intermédio do coração.
Não basta, pois, o ensinamento.
Imperioso sejamos nós mesmos a lição viva. Pensamento que observe e ilumine.
Sentimento que compreenda e ajude sempre. Não nos limitemos, desse modo, aos méritos da palavra.
Procuremos, com o mesmo fervor, as vantagens da ação.
Cultura, que aperfeiçoe.
Trabalho que santifique.
Hermes, Zoroastro, Confúcio, Sidarta e Sócrates foram grandes e veneráveis instrutores que nos revelaram a senda.
Jesus-Cristo, porém, associando lição e exemplo, é o Mestre Amoroso e Sábio que nos ensina a percorrê-la.
Emmanuel, recebida por Chico Xavier, em 19.01.1956.

Senda de paz