Batalha

Perdoa a mágoa hostil que te consome, Porque, no centro d’alma dolorida, Há de travar-se com vigor sem nome, A batalha que aflige mais que a fome, Pela sublimação da própria vida. Chico Xavier/Cármen Cinira