Cada Dia

Cada dia, meu filhinho,
Ressurge o sol no caminho,
Recomeçando a brilhar…
Renasce, pura e constante,
A vida santificante,
Em torno de nosso lar.Cada dia, a abelha voa,
Diligente, humilde e boa,
Fabricando o mel sutil;
Cada dia, corre a fonte
E, muito além do horizonte,
Fulguram estrelas mil.
A semente pequenina,
Maravilhosa, germina
Para a fartura do pão;
Cada instante traz à vida
A bênção indefinida
De doce renovação.Cada dia, cada hora,
Tudo progride e melhora…
Assim, filhinho, também
Busquemos nós, cada dia,
A sacrossanta alegria
Da sementeira do bem.
João de Deus Psicografia de Chico Xavier

 

Na Graça do Senhor

João de Deus
João de Deus

Há na Graça Divina do Senhor
Mais alegria em dar que em receber.
E há mais bênçãos nas pedras do dever
Que nas rosas do gozo tentador.

A sublime renúncia por amor
Vale mais que o domínio do prazer.
Servir ao bem é a glória de viver
E o sacrifício é campo redentor.

Desenganos, angústias, chagas mil
São promessas de luz primaveril
Na fé renovadora, bela e sã.

Caminhar sob a graça de Jesus,
Aceitar o rigor de nossa cruz,
É iluminar a Terra de amanhã.

João de Deus

História Ligeira

Templo Ecumênico - UFSCO candidato ao ministério cristão penetrou o templo do serviço e proclamou-se transformado.
Na primeira semana, afirmou-se favorecido pela divina luz e, depois de solene profissão de fé, assinalou fronteiras entre ele e o pecado, entre a sua perfeição e o mundo envilecido.
Na segunda semana, discursou, ardentemente, conclamando o povo à salvação com o Cristo.
Na terceira, traçou programas e promessas, na esfera da beneficência, mostrando-se inclinado a socorrer infelizes, curar os doentes e asilar criancinhas abandonadas.
Na quarta, declarou-se vítima da incompreensão e da discórdia, entre pesadas nuvens de tristeza e insubmissão.
Na quinta, apareceu cansado e desiludido, indicando os males do mundo e os defeitos dos irmãos.
Na sexta, rogou ao Senhor licença para descansar.
Na sétima, deitou-se e dormiu por duzentos anos.
Nesse candidato às bênçãos do Evangelho, temos a história de milhões.
“Muitos chamados, poucos os escolhidos”.
Oportunidades para todos e serviço de raros.
Em verdade, o Divino Amigo continua curando, levantando, consolando, reanimando e convidando almas para o banquete do Reino de Deus, mas os seguidores e discípulos começam a tarefa no calor fervente do entusiasmo, elevado à tensão mais alta.
Pronunciam votos comovedores, gesticulam e ensinam, entretanto, em poucos dias, antes mesmo de marcharem dez passos, na senda da elevação, reclamam férias espirituais para o repouso de vários séculos.
André Luiz